sábado, 13 de setembro de 2008

Seong-Ngó, a Senhora da Lua

No largo do Pagode da Barra. Macau, Setembro de 2008

Consta que Seong-Ngó, a Senhora da Lua, esposa do archeiro Hau-Ngai, era curiosa, mesmo muito curiosa. Foi essa curiosidade que a levou à Lua, de onde nunca mais saiu.
Aconteceu tudo isso há muitos, muitos anos, no tempo do imperador U, da dinastia Há, ou seja, por volta do ano 2000AC. Hau-Ngai, exímio archeiro e comandante da guarda imperial, não era como os comuns mortais, pois só se alimentava de essência de flores. As suas flechas eram mágicas e com elas Hau-Ngai conseguia afastar tempestades, pois as nuvens, doridas e acossadas com as flechas de Hau Ngai, fugiam para bem longe.
Ora, um dia, aconteceu que no céu surgiram dez sóis, nove sóis a mais a aquecerem o planeta, a mirrarem as plantas, a ressequirem a terra. Não havia noites, porque com tantos sóis a terra estava sempre iluminada.
Como podem imaginar, instalou-se o pânico. Com tanto calor - eram realmente sóis a mais –, acabava-se a Terra. Então, o imperador lembrou-se das flechas mágicas de Hau-Ngai e ordenou-lhe que trespassa-se os sóis, tal como fizera às nuvens, afastando-as e evitando inundações. Assim fez o nosso herói. Mas, por pouco ficava a Terra para sempre às escuras, tal o entusiasmo com que Hau-Ngai se pôs a disparar setas aos sóis que rebentavam como balões. Contudo, a tempo, lembrou-se de parar, poupando o Tai Ieong, o sol que ainda hoje alumia a Terra.
A imperatriz do Poente e o seu esposo, o imperador do Levante – juntos geraram o Iam e o Ieong, as forças que regulam o equilíbrio do mundo – trataram de recompensar o archeiro, concedendo-lhe a pílula da imortalidade. Mas, advertiram-no que, antes de a tomar, precisava de se preparar com doze meses de abstinência e silêncio.
Regressou o archeiro a casa e escondeu a caixa que continha a pílula da imortalidade numa trave junto ao tecto. Depois, apenas com uma pequena trouxa onde arrumou alguns dos seus bens, partiu para as montanhas e instalou-se numa gruta, onde ficou em meditação e silêncio.
Entretanto, em casa, Seong-Ngó, a linda mulher de Hau-Ngai, ficara curiosa com o estranho comportamento do marido, e mais curiosa ficou quando, entrando no quarto, reparou no esplendor que vinha da trave. Na caixa, que exalava um delicioso perfume, estava escrito, em caracteres chineses, «droga para fadas». Seong-Ngó, talvez por ser um pouco vaidosa e se julgar com direito a ingerir a «droga para fadas», não hesitou – imprudente mulher! - e engoliu a pílula. De imediato começou a levitar, pois a pílula fez cessar, sobre a sua pessoa, a lei da gravidade. Ao princípio assustou-se, mas aos poucos foi perdendo o medo e já dançava no ar quando o marido entra e se zanga com ela. Seong-Ngó, para não ouvir as recriminações, fugiu pela janela. Leve como uma pena, e levada pelo vento, Seong-Ngó foi subindo, subindo, subindo até que chegou à Lua. Quando aí chegou, estafada de uma viagem tão longa, mal respirava. Uma golfada de ar, que insuflara precipitadamente, obrigou-a a tossir, expelindo a pílula que, ao cair, se transformou no Coelho de Jade (ou Coelho Lunar).
Castigada pelos deuses, Seong-Ngó ficou condenada a viver para sempre na Lua. Mas, o castigo não ficou por aqui, pois os deuses, que estavam mesmo muito zangados por se ter apoderado abusivamente da pílula da imortalidade, transformaram-na numa rã de três pernas, cuja pele viscosa tem gravado o número oito (da oitava lua).
O herói da história, o archeiro Hau-Ngai, desejando viver o mais longe possível da Lua - e da mulher, pois com ela continuava muito zangado – instalou-se no sol, naquele sol que ele poupara às suas flechas mágicas. Tal como a imperatriz do Poente e o imperador do Levante, também Seong-Ngó e Hau-Ngai personificam o Iam e o Ieong, as força que dirigem o Universo.
Uma vez por ano - no 15º dia da oitava lua – a Lua e o Sol aproximam-se. A rã da Lua recupera o seu corpo de mulher e o archeiro esquece as suas zangas e visita Seong-Ngó.
Dizem que é a noite mais brilhante do ano.

2 comentários:

Camila Albuquerque disse...

SEU BLOG É UM ENCANTO. o SIGO FAZ TRÊS ANOS. LOUCA PARA CONHECER MACAU!

MJ disse...

Obrigada, Camila